Taísa: xingada, espancada e esfaqueada por ser trans

taisa

Por Jéssica Milaré

É perturbador. Muitas pessoas viram o vídeo da mulher trans sendo espancada em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, por três rapazes, um deles com um pedaço de pau, em meio a xingamentos e ameaças de morte. A filmagem mostra a irmã, empregada doméstica, tentando socorrê-la, gritando “Para!”, “Chega!”, que também acabou sendo empurrada e agredida. As notícias de hoje contam mais detalhes dessa história: Taísa foi esfaqueada e espancada depois que respondeu aos xingamentos de um dos rapazes.

Taísa Silva e a irmã, Luciana Silva, entraram numa van de transporte alternativo para voltar pra casa. Nela, estavam também os três agressores, que proferiram xingamentos LGBTfóbicos a Taísa. “A gente entrou na van e esses três rapazes já estavam lá”, relatou Luciana em entrevista [2]. “Quando a gente sentou, esse menino (Rodrigo) já jogou piada para minha irmã. Ele a chamou de ‘veado’ e começou as gracinhas. A minha irmã se alterou e começou o bate-boca. Começou tudo com dois. Depois, o terceiro, que estava dormindo, acordou e se envolveu na briga.”

A agressão começou ainda dentro da van. “Com a van em movimento eles começaram a agredir (Taísa Silva)”, continuou o relato. “Foi quando para se defender ela foi pra cima deles. Nisso, eles saltaram da van e ele (Rodrigo) com uma faca tentou acertar minha irmã, que rebateu com o braço. Ela se jogou no chão, pegou a faca que tinha caído e deu um golpe nele também. Ele (Rodrigo) se alterou e os outros dois saíram da van.”

Após receber um chute de Jorge, caiu, bateu a cabeça no asfalto e ficou inconsciente. O vídeo mostra a barbárie: Taísa é repetidamente agredida enquanto está caída no chão, apenas tentando se proteger dos golpes. Um deles pega um pedaço de pau para agredi-la. Luciana, ao tentar protegê-la, é empurrada e também acaba caindo. É possível ver um deles gritando: “Não me segura!” Em um momento do vídeo, os agressores pareciam ter interrompido o crime. Porém, quando Taísa começa a se levantar, a agressão recomeça.

Segundo Luciana, as agressões pararam apenas quando algumas pessoas num ponto de ônibus que estavam próximas interviram.

Na manhã de hoje, os três rapazes foram presos e vão responder pelo crime de tentativa de homicídio.

A barbárie social

Taísa apanhou por se defender, por se não aceitar a humilhação, por erguer a cabeça. Na mente dos transfóbicos, Taísa tinha que aceitar todas as humilhações e agressões que recebeu sem responder. Permanecendo em seu suposto lugar, de cabeça baixa. O caso de Taísa não é, de forma alguma, um evento isolado. As agressões sofridas pelas travestis e mulheres trans, em especial as que sobrevivem da prostituição, são cotidianas.

Mas a violência não acontece apenas na rua. Ela acontece também dentro de casa. Ainda está na memória o caso de Leelah Alcorn, mulher trans estadunidense que foi deixada de castigo dentro do quarto por meses depois que se assumiu como mulher trans, sem nem mesmo ter acesso às redes sociais. Os pais forçaram-na a fazer terapias para “curá-la”. Depois de toda essa violência, Leelah fez um relato no seu Facebook e cometeu suicídio [4]. Várias pesquisas mostram que cerca de 40% das pessoas trans já tentaram cometer suicídio.

A violência também acontece frequentemente na escola. As pessoas oprimidas sempre são as principais vítimas do tal do bullying. Ainda está na memória o caso de uma escola em Ribeirão Cascalheira, no Mato Grosso, em que pais e mães fundamentalistas fizeram um abaixo-assinado para que uma aluna trans fosse proibida de usar o banheiro feminino. Essa aluna já usava o banheiro feminino há quatro anos, a convite das próprias amigas, pois, no banheiro masculino, quase sempre alguém passava a mão nela. Mas alguns pais e mães fundamentalistas, com o incentivo do pastor Deocarlos Villas Boas, fizeram um protesto na escola, xingaram a menina e outras pessoas que a defendiam. Queriam que a escola construísse um terceiro banheiro pra ela! Sim, defendiam um novo apartheid para pessoas trans, assim, na cara dura!

É por isso que muitas mulheres trans e travestis estão fora de casa, da escola e vão parar na prostituição, a única alternativa de sobrevivência para muitas. E a violência não para aí, ela acontece também por parte da polícia. Ainda está na memória o caso de Laura Vermont, que, após ter sido espancada por cinco caras em um bar, depois de pedir socorro da polícia, em vez de receber ajuda, foi baleada [6]. Também não esqueceremos de Verônica Bolina, que não teve seu direito à cela exclusiva respeitado, acabou entrando em confusão com outros presos e com o carcereiro, foi espancada pela polícia, teve suas roupas rasgadas, sua cabeça raspada, seus seios expostos e a mídia, além de tratá-la no masculino, tratou-a como bandida, criminosa, não como vítima de tortura policial [7]!

Nós não nos esqueceremos. É preciso criminalizar a LGBTfobia. Deixar uma criança trans de castigo ou forçá-la a frequentar um terapeuta para “curá-la” tem que ser crime. Proibir uma pessoa trans de usar o banheiro conforme sua identidade de gênero, expulsar uma criança por ser trans da família ou da escola, negar emprego ou demitir alguém por ser trans, assédio moral contra uma funcionária ou funcionário trans, obrigar uma mulher trans a raspar seu cabelo ou retirar sua peruca, rasgar suas roupas, expor seu corpo, ridicularização, tudo isso tem que ser crime! Não abaixaremos a cabeça para os transfóbicos!

Referências

[1] https://catracalivre.com.br/geral/cidadania/indicacao/travestis-sao-espancadas-no-rj-e-caso-gera-revolta-na-internet/
[2] http://extra.globo.com/casos-de-policia/irma-de-transexual-agredida-no-rio-relata-ataque-era-para-ela-estar-morta-20108785.html
[3] http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2016/09/video-mostra-travesti-e-irma-sendo-espancadas.html
[4] http://www.dailymail.co.uk/news/article-2891267/Transgender-teenager-leaves-heartbreaking-suicide-note-blaming-Christian-parents-walking-tractor-trailer-highway.html
[5] http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2015/10/abaixo-assinado-tenta-impedir-aluna-transexual-de-usar-banheiro-feminino.html
[6] http://www.pragmatismopolitico.com.br/2015/08/farsa-da-pm-no-assassinato-da-transexual-laura-vermont-e-desvendada.html
[7] http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/04/travesti-fica-desfigurada-apos-prisao-defensoria-diz-haver-indicio-de-tortura.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s